A Doença

Febre CHIKUNGUNYA

A Febre Chikungunya é uma doença transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014.

Chikungunya significa "aqueles que se dobram" em swahili, um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no leste da África, entre 1952 e 1953. A doença, apesar de pouco letal, é muito limitante. O paciente tem dificuldade de movimentos e locomoção por causa das articulações inflamadas e doloridas, daí o “andar curvado”.

Apesar de ser uma doença parecida com a dengue e ter o mesmo mosquito transmissor, a Febre Chikungunya é causada pelo vírus CHIKV, da família Togaviridae. A febre Chikungunya pode atingir qualquer pessoa, mas os sintomas apresentam-se mais intensos em crianças, idosos e pacientes com doenças crônicas. Assim sendo, essas pessoas necessitam de cuidados redobrados durante o período de tratamento.

Em média, 30% das pessoas infectadas são assintomáticas, ou seja, não apresentam os sinais e sintomas clássicos da doença. Quem apresentar a infecção fica imune o resto da vida.

A situação na região é realmente grave. Muitos dos países da região estão registrando casos.
Sempre que há movimentação de pessoas, bens e serviços, é possível que na bagagem, por exemplo, seja transportado o vetor, o mosquito. Dr Margaret Chan - Diretora Geral da OMS






Saiba mais sobre a Febre Chikungunya













EUROIMMUN Brasil

Histórico

Febre CHIKUNGUNYA

A febre chikungunya teve seu vírus isolado pela primeira vez em 1950, na Tanzânia. Ela recebeu esse nome pois chikungunya significa “aqueles que se dobram” no dialeto Makonde da Tanzânia, termo este usado para designar aqueles que sofriam com o mal.

A partir de 2004, a febre chikungunya teve fortes manifestações no Quênia, e dali se espalhou pelas ilhas do Oceano Índico. A epidemia propagou-se do Oceano Índico à Índia, onde grandes eventos emergiram em 2006. Uma vez introduzido, o CHIKV alastrou-se em 17 dos 28 estados da Índia e infectou mais de 1,39 milhão de pessoas antes do final do ano. O surto da Índia continuou em 2010 com novos casos aparecendo em áreas não envolvidas no início da fase epidêmica.

A preocupação com a propagação do CHIKV atingiu um pico em 2007, quando o vírus foi encontrado no norte da Itália após ser introduzido por um viajante com o vírus advindo da Índia. As taxas de ataque em comunidades afetadas em recentes epidemias variam de 38% a 63% e, embora em níveis reduzidos, muitos casos destes países continuam sendo relatados.

Nas Américas, em outubro de 2013, teve início uma grande epidemia de chikungunya em diversas ilhas do Caribe. A seguir, foi confirmada, no Oiapoque, a ocorrência no Brasil. Até outubro de 2014, foram registrados 828 casos no país, sendo somente 39 vindos do exterior. Curiosamente, parece ter havido duas introduções virais diferentes nas Américas, pois o genótipo viral que foi isolado no Oiapoque e no Caribe não é o mesmo que o estudado na Bahia.

Mapa da Febre CHIKUNGUNYA

Febre CHIKUNGUNYA

Febre CHIKUNGUNYA - Mapa Atual - EUROIMMUN Brasil - Diagnóstico Médico Laboratorial
Febre CHIKUNGUNYA - Mapa Atual - EUROIMMUN Brasil - Diagnóstico Médico Laboratorial


Para ver o mapa em tempo real, clique aqui.

Diagnóstico

Febre CHIKUNGUNYA

Se você suspeita de febre chikungunya, vá direto ao hospital ou clínica de saúde mais próxima. O diagnóstico deverá ser feito por meio de análise clínica e exame sorológico (de sangue). A partir de uma amostra de sangue, os especialistas buscam a presença de anticorpos específicos para combater o CHIKV no sangue. Isso indicará que o vírus está circulando pelo seu corpo e que o organismo está tentando combatê-lo.

Vários métodos podem ser usados para diagnóstico. Os testes sorológicos, tais como ensaios de imunoabsorção enzimática (ELISA), pode confirmar a presença de anticorpos anti-IgM e IgG Chikungunya. Os níveis de anticorpos IgM são mais elevados de 3 a 5 semanas após o início da doença e persistem durante cerca de 2 meses. As amostras recolhidas durante a primeira semana após o início dos sintomas devem ser ensaiadas por ambos os métodos serológicos, virológicos (RT-PCR).

O vírus pode ser isolado a partir do sangue durante os primeiros dias de infecção. Vários métodos de RT-PCR estão disponíveis, mas são de sensibilidade variável. Alguns são apropriados para o diagnóstico clínico.

Orientação da OMS para o Diagnóstico laboratorial

A confirmação da febre de CHIK é através de quaisquer um dos seguintes testes:

Testes laboratoriais para CHIKV
  Teste   Tempo após a doença
  • Cultura de vírus
  • 3 primeiros dias da doença
  • RT-PCR
  • 1-8 dias
  • Pesquisa de anticorpos IgM
  • 4 dias a 2 meses
  • IgG ou ensaio de anticorpo neutralizador mostrando títulos crescentes
  • Duas amostras separadas por 14 dias, onde a primeira amostra é coletada após o sétimo dia.

  • Nenhuma constatação hematológica significativa é observada. Leucopenia com predominância de linfócitos é a observação de costume. A trombocitopenia é rara. A taxa de sedimentação de eritrócitos é geralmente elevada. Proteína C-Reativa é aumentada durante a fase aguda e pode permanecer elevada por algumas semanas.

    Transmissão

    Febre CHIKUNGUNYA

    Chikungunya foi identificado em mais de 60 países na Ásia, África, Europa e Américas. A transmissão da febre chikungunya raramente ocorre em temperaturas abaixo de 16° C, sendo que a mais propícia gira em torno de 30° a 32° C - por isso ele se desenvolve em áreas tropicais e subtropicais.

    O vírus é transmitido de humano para humano pela picada de mosquitos fêmeas infectadas. Mais comumente, os mosquitos envolvidos são Aedes aegypti e Aedes albopictus, duas espécies que também podem transmitir a outros vírus transmitidas por mosquitos, incluindo dengue. Esses mosquitos podem ser encontrados durante todo o dia, embora possa haver picos de atividade no início da manhã e final da tarde. Ambas as espécies são encontradas ao ar livre, mas o Aedes aegypti é encontrado também dentro das casas.

    Após a picada de um mosquito infectado, o início da doença ocorre geralmente entre 4 e 8 dias, mas pode variar de 2 a 12 dias.

    Gestantes

    Não há evidências de que o vírus seja transmitido da mãe para o feto durante a gravidez. Porém, a infecção pode ocorrer durante o parto. A infecção pelo CHIKV, no período gestacional, não está relacionada a efeitos teratogênicos, e há raros relatos de abortamento espontâneo.

    Mães que adquirem chikungunya no período intraparto podem transmitir o vírus a recém-nascidos por via transplancetária. A taxa de transmissão, neste período, pode chegar até 49%, desses, cerca de 90% podem evoluir para formas graves. Não há evidências de que a cesariana altere o risco de transmissão. O vírus não é transmitido pelo aleitamento materno.

    É importante o acompanhamento diário das gestantes com suspeita de chikungunya, e caso sejam verificadas situações que indiquem risco de sofrimento fetal ou viremia próxima ao período do parto, é necessário o acompanhamento em leito de internação.






    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil - Diagnóstico Médico Laboratorial

    Os sintomas

    Febre CHIKUNGUNYA

    O período de incubação da febre chikungunya varia de dois a 12 dias. Muitas pessoas infectadas com CHIKV não apresentarão sintomas. O quadro clínico é muito semelhante ao da dengue, e os sintomas de febre chikungunya são:

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Aumento temporário da temperatura do seu corpo, podendo ser causado pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Pirexia

    Febre intermitente

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Dores em uma ou mais articulações, podendo ser causada pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Artralgia

    Dor nas articulações

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    São dores que afetam os músculos, podendo ser localizadas ou disseminadas por todo o corpo, podendo ser causada pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Mialgia

    Dor muscular

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Tipo de dor de cabeça mais comum que existe, constante e variável, podendo ser causada pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Cefaleia

    Dor de cabeça

    Outros sintomas incluem:

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    As erupções cutâneas envolvem mudanças na cor ou textura da pele, podendo ser causado pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Erupção cutânea

    DENGUE - EUROIMMUN Brasil

    O cansaço pode ser tão grande que o doente cai de cama e a vida "perde a graça". Sintoma muito comum causado pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Fadiga

     

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    São dores que afetam os músculos, podendo ser localizadas ou disseminadas por todo o corpo, podendo ser causada pela Febre CHIKUNGUNYA.

    Mialgia - Dor muscular

     

    DENGUE - EUROIMMUN Brasil

    O vômito é um reflexo incontrolável que expele o conteúdo do estômago através da boca. Sintoma muito comum e pode ser causado por uma ampla variedade de fatores. Normalmente é inofensivo, mas pode ser um sinal de uma doença mais grave, inclusive a Febre CHIKUNGUNYA.

    Náuseas e vômitos

       

    Os sintomas comuns de chikungunya são graves e muitas vezes debilitantes, sendo as mãos e pés mais afetados. No entanto, pernas e costas inferiores frequentemente podem estar envolvidas.

    Similaridade que confunde

    ZIKA Vírus - EUROIMMUN Brasil
    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil - Diagnóstico Médico Laboratorial
    Sorologia Infecciosa-Diagnóstico em Medicina Tropical
    Testes CHIKUNGUNYA


    A EUROIMMUN possui uma linha completa para detecção e diferenciação sorológica da Febre Chikungunya. Eles já possuem aprovação e liberação da ANVISA e poderão ser adquiridos por laboratórios de diagnóstico.

    O IF: Mosaico Arbovírus 2 da EUROIMMUN é indicado em ensaios in vitro qualitativos ou semiquantitativos para detecção simultânea e diferenciação dos quatro tipos de Dengue (1-4), Chikungunya e Zika, pelo método de imunofluorescência indireta. Os testes devem ser realizados com amostras de soro ou plasma e detectam anticorpos IgG ou IgM contra os vírus.

    O kit é fornecido com todos os reagentes necessários para o procedimento, sendo necessário apenas um microscópio de fluorescência adequado. As lâminas apresentam 5 ou 10 poços com 6 substratos cada, que permitem o teste simultâneo utilizando uma única amostra.

    Está comercialmente disponível também o kit de Imunofluorescência específico para detecção de Chikungunya.

    O procedimento de incubação é de acordo com a já conhecida Técnica TITERPLANE® da EUROIMMUN, que garante a padronização do procedimento e permite incubações à temperatura ambiente.
    O Chikungunya ELISA IgG e IgM da EUROIMMUN é indicado em ensaios in vitro qualitativos ou semiquantitativos para detecção de anticorpos IgG ou IgM contra os vírus, pelo método de ELISA. Os testes devem ser realizados com amostras de soro ou plasma. Os kits são fornecidos com todos os reagentes necessários para o procedimento, sendo necessário apenas leitora e lavadora de ELISA.

    Os kits EUROIMMUN são referenciados mundialmente, os estudos revelam alta especificidade, sensibilidade e concordância com métodos de referência.

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil - Diagnóstico Médico Laboratorial
    Fonte: Chikungunya in the Caribbean: Meeting Today’s Challenge and Preparing for the Future - “Laboratory diagnosis of Chikungunya virus infections: Comparative evaluation and performance of chikungunya laboratory tests in the Americas.”

    Estudos direcionados e publicações disponíveis, solicitações contato@euroimmun.com.br

    Virou notícia...

    Febre CHIKUNGUNYA

    Fique por dentro do que virou notícia sobre a Febre CHIKUNGUNYA:
    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) publicou o novo Guia para diagnóstico e assistência ao paciente com suspeita de arboviroses nas Américas.
    Notícia completa

    Organização PAN-AMERICANA da saúde (OPAS) divulga guia para manejo de arboviroses

    OPAS

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    O Ministério da Saúde divulgou o novo Guia clínico para manejo da Chikungunya. O guia orienta sobre casos graves, cuidados com as gestantes, medicamentos recomendados, exames necessários, tratamento e ações de vigilância.
    Notícia completa

    Ministério da saúde lança guia para manejo do Chikungunya

    Ministério da Saúde

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    De acordo com os boletins epidemiológicos da Sesa, a doença passou de 267 para 548 confirmações no Estado. Febre e dores articulares persistentes estão entre os sintomas mais frequentes.
    Notícia completa

    Dobram os casos confirmados de febre chikungunya no Ceará

    O Povo

     
    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Estado confirmou 2.355 novos casos das doenças causadas pelo Aedes. No mesmo período de sete dias, foram descartadas 3.562 suspeitas.
    Notícia completa

    PE tem 9.654 suspeitas de zika, dengue e chikungunya em 1 semana

    G1 - Globo

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Número de casos notificados da doença explodiu e já passa dos 12 mil. No ano passado inteiro, foi bem menor: 2,6 mil casos.
    Notícia completa

    Pesquisadores alertam para o aumento de casos de chikungunya

    G1 - Globo

    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Doença transmitida pelo Aedes aegypti provoca dores nas articulações. Funcionários têm tirado licenças médicas cada vez mais longas na RMR.
    Notícia completa

    Febre chikungunya gera afastamentos longos do trabalho

    G1 - Globo

     
    Febre CHIKUNGUNYA - EUROIMMUN Brasil

    Especialistas ouvidos pelo site de VEJA explicam os sintomas da doença como a maior probabilidade manifestações clínicas, em comparação com a dengue e o zika, e o risco de permanência de dor intensa e limitante nas articulações por até um ano.
    Notícia completa

    Explode o número de casos de chikungunya no Brasil

    Veja

    Contato

    Sinta-se a vontade para entrar em contato conosco

    Deixe sua mensagem

    Onde estamos:

    Rua José Gonçalves Galeão, 198
    Jd. Avelino - SP,
    Brasil

    • E-mail:contato@euroimmun.com.br
    • Telefone:+55 (11) 2305-9770
    • Site:www.euroimmun.com.br